Secretarias e Órgãos

Telefones úteis

Redes Sociais

Redenção recebe Paulina Chiziane e Tony Tcheka em programação lusófona na XII Bienal Internacional do Livro do Ceará
Qua, 19 de Abril de 2017 18:00

Com o tema "Cada pessoa, um livro; o mundo, a biblioteca", a XII edição da Bienal Internacional do Livro do Ceará, com o renomado escritor Lira Neto assinando a coordenação da curadoria, integrada também por Kelsen Bravos e Cleudene Aragão, traz uma programação que vai além do Centro de Eventos e que chegou a Redenção, na Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), nesta quarta-feira (19), como parte da programação da Bienal fora da Bienal. Na quinta-feira, 20, debates e apresentações continuam a acontecer em Redenção e parte das atrações também migra para o Centro de Eventos do Ceará.

A Bienal Fora da Bienal é tanto uma forma de levar as atividades do evento a outros públicos, ressaltando o caráter democrático, inclusivo e participativo da Bienal, em sintonia com a política cultural do Ceará, como de colocar em prática o tema do evento, "Cada pessoa um livro; o mundo, a biblioteca", promovendo encontros entre pessoas de diferentes contextos, "acervos vivos" capazes de dialogar, compartilhar experiências, visões de mundo, crescer juntos, a partir de encontros que só a Bienal poderia proporcionar.

Mesas de debate
Durante a manhã, a Unilab recebeu os escritores de países de língua portuguesa Rosalina Tavares (Cabo Verde), Tony Tcheka (Guiné-Bissau), Carlos Subuhana (Moçambique) e Brígida da Silva (Timor Leste), com mediação de Manoel Casqueiro (Guiné Bissau) para o “Relatos Oralidades & Escritas em Língua Portuguesa”. Cada escritor contou histórias e contos de suas origens em seus respectivos países, muito marcados pela oralidade, ressaltando a importância de manter as raízes e de como a língua portuguesa representa valor de resistência.

Tony Tcheka pontuou a importância desta Bienal. “Estou encantado com a presença massiva de jovens e crianças. Nunca tinha visto isso em nenhuma outra Bienal ou evento, e esse é o único caminho possível. É preciso fazer a literatura entrar nas escolas”, pontuou.

Às 14h, a mesa de discussão sobre “A resistência da palavra nas literaturas africanas de língua portuguesa” recebeu como convidados o escritor angolano Ondjaki e a professora e pesquisadora Rita Chaves, com mediação de Sueli Saraiva. A professora destacou a necessidade da reinvenção das palavras. “É muito aflitivo se relacionar com nomes que não fazem parte da sua essência. Todo o surgimento da literatura africana obedece a proposta de reinventar esse mundo. A palavra principal é resistência”, destacou.

Ondjaki (que participa de uma mesa sobre oralidades e escritas na literatura angolana, nesta quinta-feira, às 18h) refletiu sobre o lugar da palavra e da escuta na África. “A palavra vem do mais velho. Geralmente, os mais velhos não abrem a boca para falar qualquer coisa, mas falam com sabedoria. O lugar da escuta é daquele que recebe, aprende e começa a transformar as coisas. Um dia, ele será o mais velho e terá que repassar essa sabedoria”, salientou.

A mesa “Mulheres, Literatura e Resistência”, às 16h, começou com muita emoção com a chegada da escritora moçambicana Paulina Chiziane e da escritora brasileira Conceição Evaristo, que foram intensamente aplaudidas. Com mediação de Luana Antunes, foram ressaltadas a força e a importância da mulher negra, que é constantemente esquecida. “Nós fazemos literatura sim, mas temos nossa maneira de ensinar os humanos a resistir nas mais terríveis adversidades”, disse Paulina.

“As feministas brancas dizem que escrever é um ato político. Para uma escritora negra, publicar um livro é um ato político. Só nós sabemos as dificuldades de publicar no Brasil. Muitas começam com o autofinanciamento”, denunciou Conceição.

Paulina Chiziane também pontuou as dificuldades de ser, ao mesmo tempo, negra, mulher e escritora. “As grandes instituições sempre desconfiam de uma ideia e de um produto feito por uma mulher. Precisamos a cada dia provar que somos capazes. Mas isso não nos desanima”, concluiu.


Serviço
Quinta-feira, 20

Programação Bienal fora da Bienal –  Unilab Redenção
10h - Oficina Corporeidade Poética: Transcendendo o Corpo partindo da Ancestralidade Africana, com Kiusam de Oliveira (Brasil) - Pátio Campus Palmares

10h -Mesa Escritores Fundação Palmares  - Editora Nandyala (Redenção) - Água de Barrela, de Eliane Alves dos Santos Cruz (Brasil) - Haussá 1815, de Júlio César Farias de Andrade (Brasil) - Sobre as vitórias que a história não conta, de André Luís Soares (Brasil) - Sina Traçada, de Maria Custódia Wolney de Oliveira (Brasil) - Sessenta e seis elos, de Luiz Eduardo de Carvalho (Brasil) - Adjoké e as palavras que atravessaram o mar, de Patrícia Matos (Brasil)
Mediação: Sueli Saraiva (Brasil)

19h30 - Conferência A CONSTRUÇÃO DA GUINEIDADE - Moema Augel


Centro de Eventos do Ceará

Programação Sala José de Alencar - SALA 2 – MEZANINO 2
14h - Encontro Oralidades & Escritas em Língua Portuguesa: Abertura - Apresentação musical (Cabo Verde e Guiné-Bissau). Mesa Institucional com a presença do Reitor da Unilab e apresentação dos países de Língua Portuguesa.

15h - Encontro Oralidades & Escritas em Língua Portuguesa: Relatos em Língua Portuguesa: oralidade & escritas - Rosalina Tavares (Cabo Verde), Geraldo Amâncio (Brasil), Tony Tcheka (Guiné-Bissau), Carlos Subuhana (Moçambique) e Brigida da Silva (Timor Leste). Mediação: Manoel Casqueiro (Guiné-Bissau).

17h - Encontro Oralidades & Escritas em Língua Portuguesa: Apresentação teatral - Guiné-Bissau (GEPAC - Grupo de Estudos e Pesquisas Amílcar Cabral)

18h - Encontro Oralidades & Escritas em Língua Portuguesa: Oralidades e Escritas na Literatura Angolana. Convidado: Ondjaki (Angola). Mediação: Andrea Muraro (Brasil).

20h - Encontro Oralidades & Escritas em Língua Portuguesa: Exibição do filme: O outro lado do Atlântico, com direção e pesquisa de Daniele Ellery (DCR/Unilab e Márcio Câmara, da UFF). Debate com a presença da diretora, dos estudantes da UNILAB, personagens do filme, Thamylton Teixeira (Guiné-Bissau) e Osnelly Osório (Cabo Verde) e do Prof. Carlos

 

Calendário

Maio 2017
D 2a 3a 4a 5a 6a S
30 1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31 1 2 3